terça-feira, 27 de abril de 2010

Derrota à vista

Por Luiz Carlos Azedo
Com Norma Moura
luizazedo.df@dabr.com.br


O governo se prepara para mais uma derrota na Câmara dos Deputados: a aprovação de um aumento de 7,7% para os aposentados que recebem acima de um salário mínimo. A base governista não pretende entregar essa bandeira à oposição num ano eleitoral e votará a favor do aumento. A proposta do líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza, relator da MP nº 475/09, que reajusta os benefícios em 6,14%, é negociar um aumento de 7,7% para os aposentados que recebem até três salários mínimos, mas o acordo não foi aceito pela base, nem pela equipe econômica do governo.

» » »

Com 11 medidas provisórias com prazos esgotados, a Câmara precisa votar ainda hoje a MP nº 474/09, que aumenta o salário mínimo de R$ 460 para R$ 505. E deve deixar para amanhã a votação do aumento dos aposentados. Vaccarezza ainda tenta negociar um acordo para escalonar o reajuste dos aposentados de acordo com o valor das aposentadorias: 9,6% para quem recebe um salário; 7,7% para quem recebe até três salários; e 6,14% para quem recebe acima de três mínimos.

» » »

No Senado, a pauta continua trancada por duas medidas provisórias. Uma concede crédito extraordinário de R$ 742 milhões a ministérios para ações de recuperação de estruturas de municípios atingidos por chuvas e secas no fim do ano passado. Outra dá incentivos fiscais a diversos setores da economia, estimados em cerca de R$ 3 bilhões em 2010. A oposição está em obstrução para retardar a votação dos projetos do pré-sal: o Fundo Social, a capitalização da Petrobras e o regime de partilha.

Bonzinho

Ontem, no programa do Datena, na TV Bandeirantes, por mais de uma hora o candidato tucano José Serra exercitou o seu estilo bonzinho de fazer campanha eleitoral. O ex-governador de São Paulo adota a tese de que os bons rapazes podem mais, desde que não deixem os ataques sem a resposta adequada. Dilma esteve no programa na semana passada.

Renegados

Rejeitado pela petista Dilma Rousseff, cujo palanque no Rio de Janeiro é o do governador Sérgio Cabral (PMDB), o ex-governador Anthony Garotinho — do PR —, busca uma aliança com o tucano José Serra, com quem a prefeita de Campos, Rosinha Matheus, sua esposa, esteve duas vezes no ano passado. A ponte é o ex-prefeito César Maia — do DEM —, candidato ao Senado, cujo apoio também é rejeitado pelo pré-candidato a governador do PV, Fernando Gabeira. O verde tem o apoio do PSDB, mas seu palanque no primeiro turno é de Marina Silva, a candidata do PV.

Aiatolás

O namoro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com os aiatolás do Irã continua firme e forte. O ministro Celso Amorim está em Teerã para acertar os detalhes da visita do presidente ao país, prevista para 15 de maio. Lula acredita que convencerá o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad a aceitar um acordo com o Conselho de Segurança das Nações Unidas em torno do programa nuclear iraniano. A moeda de troca do Brasil é o fornecimento de urânio enriquecido ao Irã. Os EUA, a Rússia e a China tentaram um acordo sem sucesso.

Morreu

Enterrada viva, a candidatura à Presidência da República de Ciro Gomes deverá receber o atestado de óbito hoje, na reunião da Executiva Nacional do PSB. A legenda anunciará seu apoio à petista Dilma Rousseff. Os socialistas querem manter nos cargos os apadrinhados do ex-ministro da Integração Nacional, a começar pelo ministro da Secretaria dos Portos, Pedro Brito. Ciro promete acatar a decisão, mas do jeito que anda elogiando a candidata do PT, para a cúpula do PSB é melhor que faça logo a viagem que anunciou e esfrie a cabeça.

Previdência

São 18,5 milhões os aposentados do INSS que ganham até um salário mínimo e 5,6 milhões os que recebem até três salários. Os que ganham acima de sete e 10 não passam de 12 mil.

Juros

Começa hoje a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central que discutirá um aumento na taxa básica de juros (Selic), que já está em 8,75% ao ano. Apesar das declarações do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que a inflação está sob controle, a decisão de aumentar os juros será tomada com o argumento de que os preços estão subindo.

Têmis - As recentes ações do Ministério Público do DF colocaram em xeque a atuação do Tribunal de Contas do DF. Sobrou para o órgão de fiscalização o ônus das falcatruas apontadas por procuradores. Tanto o ex-governador Joaquim Roriz (PSC) quanto os suspeitos de superfaturamento no projeto básico do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) se defendem dizendo que as prestações de contas foram aprovadas pelo TCDF.

Bomba - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anuncia hoje uma série de medidas para combater o uso de suprimentos e complementos alimentares pela turma da malhação. De acordo com a agência, apenas atletas que praticam exercício físico de alta intensidade, com o objetivo de participação em esporte com esforço muscular intenso, devem consumir esse tipo de alimento.

2 comentários:

Leonardo disse...

Revoltante o Roriz e suas desculpas esfarrapadas... Daqui a pouco ele vai dizer que quem superfaturou o VLT foi a Bezerra

Carlos Henrique disse...

Nada mais óbvio que Roriz esteja envolvido nesse superfaturamento! Esse cara não tem limites. Brasília sofre com isso. FORA RORIZ. Garanto que Agnelo saberá com consciência limpar as sujeiras que Roriz deixou. Queremos um governo melhor, queremos Agnelo.